A casa minimalista da Kim Kardashian e o “menos demais”

Eu sempre falo muito sobre minimalismo aqui na Decor di Fulô, e quem me acompanha sabe. Ao me deparar com essa proposta da mansão da Kim Kardashian, meu primeiro pensamento foi: “ah, isso vai ser ótimo, pessoas famosas e influentes usando o minimalismo, pois vai propagar mais o estilo de decoração e de vida”. Mas eu confesso que, ao ver como era sua casa, fiquei um pouco decepcionada.

Para quem está por fora, essa semana a Kim Kardashian mostrou fotos da sua casa minimalista, e a internet meio que se dividiu entre “parece um museu” e o “amei”, e ainda tiveram aqueles que riram e fizeram memes com o “vazio” da casa. Mas você sabe como funciona a estética minimalista? Pois eu estou aqui para te explicar para você entender o projeto da casa da Kim e do Kanye, que foi assinada pelo designer Axel Vervoordt. 

Instagram/Reprodução

Como funciona a estética minimalista

Antes de tudo, vamos entender como essa estética surgiu. Após a Segunda Guerra Mundial, o minimalismo surgiu como um movimento artístico. Esse movimento segue a frase conhecida de Mies Van Der Rohe, “menos é mais”, e esse arquiteto foi um dos precursores da tendência minimalista. A arquitetura minimalista tem influência de movimentos de vanguarda anteriores ao minimalismo, a Bauhaus e a De Stijl.

A estética minimalista consiste em menos itens, menos cores fortes e mais cores neutras, valorização da geometricidade e design simples. O branco tende a ser a cor predominante, e também tons off-white. Há também um apreço pela modernidade e pela tecnologia. Por haver menos itens, costuma-se caprichar mais nos detalhes estruturais, no design presente e na qualidade do que é posto. Pode também vir com influências do estilo escandinavo (se não lembra o que é o estilo Escandinavo, clique aqui), com elementos naturais e cores neutras

A preocupação com a estética também dá lugar à preocupação com a funcionalidade do espaço. O minimalismo preza pelo essencial, zelo e funcionalidade, e isso se reflete na sua estética em si.

A Casa da Kim Kardashian

Instagram/Reprodução

O projeto de reforma da  mansão foi assinada pelo designer belga Axel Vervoordt, e teve participação do Kanye West. Kim e Kanye tinham em comum o gosto pelas cores neutras e o design simples. Queriam algo novo, e decidiram tirar as coisas da casa para deixá-la “mais pura”. Segundo Kim, eles não discutiram a decoração, mas uma filosofia que estavam vivendo, em que buscavam um ambiente mais puro.

Instagram/Reprodução

A cozinha é toda na cor branca com detalhes em inox. Tal aspecto teve a colaboração do Kanye, que, segundo a Kim,”tem sensibilidade para a decoração”. A iluminação é branca neutra, e é feita direta e indiretamente. Nos demais cômodos, é bem comum a presença de madeira maciça e tecidos mais crus em tons clarinhos e off-white.

Instagram/Reprodução

O quarto da filha é o único ambiente que tem cor que não seja neutra. O rosa se manifestou de forma monocromática, com alguns elementos menos geométricos, porém simétricos, como as asas de borboleta da cabeceira da cama. A escolha ficou no mínimo estranha.

Instagram/Reprodução

Pureza fria e impessoal

Muita gente tem uma visão equivocada de que um ambiente minimalista é um ambiente vazio, sem vida e frio, e, na minha humilde opinião, a casa minimalista da Kim e do Kanye fizeram jus a esse tipo de visão. Longe de mim falar mal do projeto de um grande designer. E longe de mim falar sobre os gostos do casal, até porque se eles estão felizes e se sentem bem é o que importa. Mas acho que a pode pensar um pouco também e tirar nossas conclusões.

Como a própria Kim enfatizou, eles procuraram pureza e uma nova filosofia de vida que eles estão vivendo. A primeira vista, a casa minimalista dela parece uma boa ideia. Mas no segundo seguinte, eu pensei: “cadê o aconchego? Cadê a personalidade? Cadê ‘eles’?”.

Instagram/Reprodução

Mas o que me deixou um tanto intrigada foi que, como eu já falei algumas vezes aqui, no podcast e em todo conteúdo que eu crio, o minimalismo é sobre autoconhecimento, saber o que é essencial para você. Cada coisa tem sua função, sem abrir mão da estética. O que fica é tudo aquilo que vai te ser útil, funcional ou emocionalmente. Antes de tudo, na sua casa, o ambiente deve refletir quem vive nele. O minimalismo vem de dentro para fora.

O projeto acabou por cair no esteriótipo de que uma casa minimalista deve ser toda branca, vazia e sem personalidade. A gente vê luxo em seus designs, vê peças que poderiam estar em um museu, mas falta a cara de quem vive na casa. Acabou por deixar um ar impessoal e sem calor humano. A linha entre minimalismo e frieza, para uns, pode ser um pouco tênue. Eles acabaram pecando pelo “excesso do menos”.

Instagram/Reprodução

Essa, é claro, é a minha opinião, como alguém da área e que curte um minimalismo. Essa é apenas uma expressão sobre o que pensei ao ver esse “bafulê” todo, e quis mostrar para vocês também um pouco do que eu penso acerca do que eu vejo na minha própria área. Mas vocês não vão me ver fazendo críticas deliberadamente, até porque eu amo exaltar as coisas boas. 

Vamos discutir: o que você achou da mansão da Kim Kardashian e do Kanye West? Deixa aqui nos comentários!

E não esqueçam: bebam água, façam carinho no gatinho, e até o próximo post.

Compartilhe:
0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *